Pages

Ads 468x60px

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Especial Estádio Castelão: Um amuleto para a Seleção Brasileira

                                                                                    Por Pedro Cidade
Pedrocidadenews

Você sabe quantas vezes a Seleção Brasileira de Futebol jogou no Estádio Castelão?  Quando foi que a Seleção realizou sua primeira partida no estádio? Qual foi o último jogo da seleção antes da reforma?  Quem fez o primeiro gol da Seleção no estádio?  Quando foi a primeira vitória da Seleção no Castelão?

Respondendo a primeira pergunta a Seleção Brasileira jogou sete vezes no estádio tendo um retrospecto positivo, já que conquistou seis vitórias e tem apenas uma derrota,  marcou 19 gols e sofreu apenas três, parece que realmente o gramado cearense faz muito bem para a Seleção “canarinho”.

A primeira partida foi contra o Uruguai no dia 27 de Outubro de 1980, com vitória da Seleção brasileira por 1 a 0 gol de Getúlio.



A segunda partida da Seleção Brasileira no estádio foi contra a Seleção Peruana no dia 10 de maio de 1989, o Brasil venceu o Peru por  4 a 1, os gols da Seleção canarinho foram marcados  por Charles (2), Bebeto e Zé do Carmo e Torres descontou para o  Peru.


Já no dia 26 de Fevereiro de 1992 , a Seleção Brasileira voltou para Fortaleza e tinha como adversária a Seleção dos Estados Unidos, mais uma vez deu Brasil e o placar foi  3 a 0, os gols foram marcados por Raí (2) e Antônio Carlos.


No dia 25 de maio 1995, o Brasil teria pela frente a Seleção da Eslováquia, a torcida compareceu e fez mais uma festa, já que a Seleção Brasileira deu um show de bola na seleção Europeia e acabou  vencendo pelo placar de 5 a 0, os gols da partida foram marcados por Bebeto (2), Souza, Túlio e Marcio Santos.


Em 1998, ano em que a Seleção Brasileira teve uma traumatizante derrota para Seleção Francesa na final da Copa da França pelo placar de 3 a 0.

O Brasil teria a chance pelo menos de aliviar a dor daquela decisão em  Fortaleza no Estádio Castelão e não foi diferente, enfrentou no dia 18 de novembro, a Seleção da Rússia e conquistou uma expressiva vitória pelo placar de 5 a 1. Élber abriu o placar para o Brasil, Amoroso fez dois gols, Rivaldo e Marcos Assunção completaram a goleada.


No dia 27 de março de 2002, O Brasil teria pela frente a Seleção da Iugoslávia, uma partida amistosa que serviu de preparação para a copa do mundo do Japão/ Coréia.  O estádio recebeu aproximadamente 70 mil pessoas que contagiaram a equipe que futuramente venceria pelo placar de 1 a 0, o gol da partida foi marcado pelo atacante Luizão.


Eu tive a oportunidade de acompanhar essa partida de perto e percebi a união do grupo que durante as eliminatórias passou por sufoco, a torcida Cearense coloriu o Estádio Castelão  de Verde e Amarelo, todos cantaram o hino em uma só voz,  os jogadores estavam motivados e levaram essa energia  para a Copa do Mundo e conquistaram o pentacampeonato contra Alemanha vencendo a final por 2 a 0.


Mas no dia 21 de outubro de 2002, nem tudo foi festa para Seleção brasileira que foi campeã do mundo, já que a Seleção do Paraguai carimbou a faixa de pentacampeão do Brasil vencendo a partida pelo placar de 1 a 0, gol de Cuevas.



Essa foi a última partida que a Seleção realizou no Estádio Castelão que foi reformado e esta pronto para  receber   Brasil x México, na segunda rodada do Grupo A, da Copa das Confederações, no  dia 16 de junho de 2013


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Seleção Brasileira: E o tempo passou...



O mundo esportivo vive girando e transformando atletas em sucessores de outros grandes jogadores que acabam ocupando vagas deixadas por ídolos, que muitas vezes podem ser considerados insubstituíveis.



Constantemente isso vem acontecendo precocemente no futebol brasileiro. Será que jogadores estão sendo considerados ídolos antes do tempo?  Ou na verdade, o tempo que esta passando muito rápido e essa necessidade de ter um ídolo acabam fazendo com que a mídia, torcedores e os clubes se tornem precipitados e menos exigentes na busca desse atleta?




Em alguns casos jogadores tem mais divulgação que o próprio futebol apresentado por eles. Sua imagem é vendida e colocada em inúmeras propagandas que muitas vezes não combinam e nem representam o esporte.

Não tenho nada contra jogadores, anunciantes ou empresas publicitarias que estão no direito de vender a sua marca e o seu produto. Mas será que não existe um exagero, não somente destes veículos, mas da própria imprensa esportiva em relação a um determinado atleta?

O que se percebe é uma falta de compromisso de jogadores em relação à Seleção Brasileira, parece que antes os jogadores tinham orgulho e prazer em defender as cores do seu país e encarnavam aquele espirito que milhões de torcedores brasileiros sentiam até mesmo em partidas amistosas e principalmente em copas do mundo.



A impressão que se tem é que a cada ano que passa jogadores valorizam menos a camisa da Seleção Canarinho.

O tempo esta passando e o torcedor brasileiro com ídolos ou sem ídolos sente a falta de uma equipe mais guerreira e que vista a camisa verde e amarela com orgulho, compromisso e dedicação à pátria amada.



Afinal a Copa de 2002 foi a última conquistada pela Seleção Brasileira que é acostumada com conquistas na competição.





11 anos se passaram  e  o torcedor brasileiro não foi  mais  contemplado  com o titulo, já se passaram  as Copas  da Alemanha em 2006 e a Copa da África em 2010.



O tempo passou e já é mais que a hora de jogadores se dedicarem  para conseguir  o titulo da Copa do Mundo no Brasil em 2014.




domingo, 27 de janeiro de 2013

Especial Copa das Confederações: A origem da competição

                                                                                                          Por Pedro Cidade
A copa das confederações é uma competição organizada pela FIFA que desde ano de 2005, contou com a participação de oito países participantes entre eles a equipe que é a anfitriã do local onde é realizado o torneio. 

No ano de 1992 existia uma competição anterior ao torneio que recebia o nome de Copa Rei Fahd, contava com a participação de apenas quatro equipes, o país sede, o campeão da copa América, o Campeão da Copa das nações Africanas e o campeão da Copa ouro da CONCACAF.  Essa edição de 1992 que foi realizada na Arábia Saudita foi a única que contou com apenas quatro participantes e não existia fase de grupos. 




Nessa competição as equipes participantes foram Arábia Saudita (país-sede e campeão da Copa da Ásia de 1988), Argentina (campeã da Copa América 1991), Costa do Marfim (campeão Copa das Nações Africanas de 1992) Estados Unidos (campeões da Copa Ouro da CONCACAF 1991). A Campeã dessa edição da competição foi a seleção da argentina que venceu por 3 a 1 a equipe anfitriã Arábia Saudita.  



Já no ano de 1995 foi realizada a ultima Copa Rei Fahd que teve o número de seleções aumentado para oito equipes e que foi rebatizada de Copa das Confederações da FIFA.  Foi sediada na Arábia Saudita em Janeiro de 1995. Contou com a participação de seis equipes: Arábia Saudita (país- sede) Argentina (Campeã da Copa América de 1993) Dinamarca (Campeã da Eurocopa 1992) Japão (Campeão da Copa da Ásia de 1992) México (Campeão da Copa Ouro da CONCACAF 1993) Nigéria (Campeã da Copa das Nações Africanas de 1994). Dessa vez o torneio foi vencido pela equipe da Dinamarca que derrotou por 2 a 0 a Argentina na final.


No ano de 1997 aconteceu a primeira edição oficial da Copa das Confederações da FIFA. O torneio foi uma evolução da Copa Rei Fahd que foi disputada  em 1992 e 1995. Essa edição também foi realizada na Arábia Saudita em dezembro de 1997.

Contou com a participação das equipes da África do Sul (Campeã da Copa das Nações Africanas de 1996) Arábia Saudita (País-sede e campeão da Copa da Ásia de 1996) Austrália (Campeã da Copa das Nações da OFC 1996) Brasil (Campeão da Copa do Mundo de 1994)  Emirados Árabes Unidos (Vice-campeão da Copa da Ásia de 1996) México (Campeão da Copa Ouro da CONCACAF 1996) República Tcheca (Vice-campeã da Eurocopa 1996 - classificada devido à desistência da campeã Alemanha) Uruguai (Campeão da Copa América 1995).

A competição foi vencida pela Seleção Brasileira que goleou a seleção da Austrália por 6 a 0 com três gols de Ronaldo e três de Romário.



A principal mudança ocorreu  a partir do ano de 2005, a competição que era disputada  a cada dois anos, passou a ser disputada de quatro em quatro anos e acabou servindo como uma prévia para a Copa do Mundo.


Isso foi apenas introdução de como surgiu a competição nas próximas edições do especial sobre Copa das Confederações vou destacar os jogos emocionantes, curiosidades e outras edições do torneio.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Campeonato Cearense: uma fábrica de revelar novos talentos.

Por Pedro Cidade                                          

O Campeonato Cearense de Futebol 2013 começou sem contar com a participação das equipes do Ceará e do Fortaleza que respectivamente disputam a Copa do Nordeste, se por um lado à ausência dos dois maiores clubes do Futebol Cearense pode ser vista de forma negativa, pelo fato das duas principiais equipes do futebol local levarem maiores públicos e rendas para os estádios, por outro lado, pode ser uma oportunidade para que outros clubes mostrem o seu futebol e revelem novos talentos para o estado.

O futebol cearense precisa pensar nessa ideia que em outros estados, os clubes, as federações e os dirigentes parecem levar mais a sério.  Será que vale a pena investir em contrações de jogadores que não são aproveitados em outros estados ou são mais caros que a necessidade dos clubes e inserir no futebol local? Ou seria melhor investir em categorias de base e contrações de jogadores da região? 

Levando em consideração que jogadores de outros estados ainda tem todo um período de adaptação em relação à cidade, ainda existe a questão do valor deste atleta, acaba sendo um investimento a curto prazo, mas que não traz retorno nenhum para o clube numa suposta negociação do atleta com outras equipes. 

Categorias de base

Um trabalho com categorias de base e a valorização de um jogador da terra pode levar um tempo, ter um custo e exigir bastante paciência, pode ser necessário um maior envolvimento de treinadores, olheiros e clubes nesse processo, mas o retorno pode ser satisfatório nas quatro linhas e nos cofres das equipes.

Claro que o Campeonato Cearense não pode ser comparado com a Copa São Paulo de Futebol Junior, que é uma competição própria para isso e que serve como vitrine para clubes de todo o país, mas pode se inspirar na ideia dessas equipes. Afinal o futebol cearense já conseguiu revelar vários talentos, entre os clubes que mais se destaca quando o assunto é revelação de jogadores é a equipe do Ferroviário Atlético Clube. 

No entanto, os trabalhos que vem sendo desenvolvidos nas categorias de base das equipes do Ceará e Fortaleza nos últimos anos tem evoluído bastante, mas ainda esta muito longe do ideal.






Seleção Brasileira quem chegou lá

Para quem não sabe o Futebol Cearense já teve a oportunidade de servir a Seleção Brasileira com seus jogadores. Como foi caso da equipe do Ferroviário que emprestou o talento de dois grandes jogadores para a seleção canarinho.

O atacante Jardel que Iniciou nas categorias de base do Ferroviário, brilhou no time principal do Tubarão da Barra em 1990, defendeu grandes equipes como Vasco da Gama, Grêmio, Porto, Sporting, Galatasaray, Bolton e Newell' Old Boys e a Seleção Brasileira.


E o ex-jogador Miradinha que foi o primeiro brasileiro a jogar no futebol inglês . Começou sua carreira como jogador no Ferroviário, defendeu as equipes da Ponte Preta, Fortaleza, Palmeiras, Corinthians, Newcastle, e ainda foi convocado para a Seleção Brasileira.


Outras revelações   

O futebol do estado do Ceará teve ainda oportunidade de colocar jogadores locais nos principais clubes do Brasil e da Europa.

Como foi o caso do ex-jogador, Pacoti que nasceu em Quixadá, começou a carreira no Ferroviário, onde foi artilheiro do campeonato cearense de 1957, jogou no Sport Recife, Vasco da Gama e Sporting de Portugal.


Mazinho Loyola outra cria da casa, estreou no Ferroviário em 1987 e foi campeão cearense de 1988. Finalizou sua carreira no próprio Ferrão, defendeu grandes equipes como São Paulo, Internacional e Paraná, teve ainda passagem pelo Fortaleza.


Iarley que foi revelado nas Categorias de base do Ferroviário defendeu o time principal do tubarão da barra em algumas oportunidades e logo foi para a Europa. Jogou pelo Real Madrid "B" (ESP), Paysandu, Ceará, Boca Juniors (ARG), Dorados (MEX), Goiás, Internacional e Corinthians.


Entre outros atletas que foram revelados pelo futebol cearense como Clodoaldo (Fortaleza), Amaral (Fortaleza), Amilton Rocha (Fortaleza), Arí (Fortaleza), Babá (Fortaleza), Mota (Ferroviário), Marciano (Fortaleza) Cicero Capacete (Fortaleza), Ronaldo Angelim (Icasa), Eusébio (Fortaleza), Adailton (Fortaleza), Junior Pipoca (Fortaleza), Amilton Melo (Fortaleza), Erandir (Fortaleza), Guto (Fortaleza), Geraldino Saravá (Fortaleza), Bismarck (Fortaleza), Louro (Fortaleza), Raul (Ceará), Sinho (Ceará), Alan (Icasa), Clemer (Ferroviário) Marcio Mossoró (Ferroviário), Ediglê (Ferroviário) Alcimar (Icasa), Romário (Ceará) e Osvaldo (Fortaleza. e Eduardo (Fortaleza)

Recentemente um jogador cearense tem chamado a atenção das equipes do sul e do sudeste, o meio campista Eduardo Teixeira, que iniciou carreira nas categorias de base do Fortaleza, se destacou na Copa São Paulo de Futebol Junior e hoje defende as cores do Fluminense do Rio de Janeiro. Pelo tricolor carioca,o garoto fez um belo trabalho na Copa São Paulo e inclusive foi promovido  para equipe principal, já foi convocado para a Seleção Brasileira  Sub-20 e hoje aguarda uma oportunidade de atuar ao lado de jogadores como Fred e Deco. 

   Eduardo Teixeira  - Meio campo



Agora é acompanhar o Campeonato Cearense e aguardar as novas revelações do nosso futebol e esperar contar com equipes como mais jogadores cearenses no elenco e de preferência das categorias de base e quem sabe emprestar o talento destes atletas para a Seleção brasileira.

Veja gols de alguns desses cearenses que encheram  o povo cearense de orgulho.

                                    Mota - Atacante


                                 Ronaldo Angelim - Zagueiro  

                                       Osvaldo - Atacante




   Veja agora a charge Produzida pelo meu amigo: Radialista, Jornalista, Chargista e Advogado Henrique DColaboração para o blog..

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A emoção de narrar um gol


                                                                            Por Pedro Cidade

Você que acompanha transmissões esportivas alguma vez já deve ter observado que cada narrador segue um estilo próprio quando esta transmitindo uma partida de futebol, e tudo isso serve para passar para o ouvinte ou telespectador, o sentimento de emoção dos torcedores, jogadores e treinadores que estão no estádio.

As arquibancadas lotadas, a vibração de torcedores, jogadores que se dedicam nos treinamentos e técnicos de futebol com seus caderninhos de anotações repleto de estratégias que são trabalhadas durante toda a partida, tudo isso para buscar um prêmio que com apenas três letras tem um grande significado para todos.

O gol pode ser consagrador para um atleta, marcar uma época, despertar sentimentos que podem ir da alegria, nervosismo, tristeza, ao alivio dependendo da situação. Pelé que é considerado o rei do futebol chamou atenção pela facilidade de marcar gols, tendo uma história fantástica inclusive o dia em que marcou o seu milésimo gol que foi eternizado pelo mundo esportivo.



Como foi para Ronaldo que passou por varias cirurgias, foi substituído durante a final da Copa do Mundo da França de 1998, devido a vários problemas inclusive uma convulsão antes de entrar em campo naquela ocasião, ele viu sua seleção ser derrotada por 3 a 0 pela França e após quatro anos foi convocado novamente, foi importante para seleção brasileira e marcou dois gols na final da Copa do Mundo de 2002 contra Alemanha, neste caso um gol pode ser chamado de superação.
  




Um gol pode silenciar um estádio lotado como a derrota da seleção brasileira na Copa de 1950 que foi realizada no Brasil, era última partida da Copa que ficou conhecida como Maracanaço e contou com o maior público de todas as partidas de todas as Copas: 199854 pessoas. Ela ocorreu em 16 de julho no Estádio do Maracanã. O Brasil, embalado pela excelente campanha, pelo apoio da torcida, pela liderança e pelo elenco vitorioso, abriu o placar aos 47 minutos com gol de Friaça. O Uruguai, dezenove minutos depois, empata a partida com Schiaffino: o empate dava a vitória aos brasileiros. Entretanto, aos 79 minutos, Ghiggia vira o placar para os uruguaios, dando o segundo título ao Uruguai. Esta partida de futebol foi decepcionante para a torcida brasileira é considerada um dos maiores reveses da história do futebol.


Imagine você que por algum motivo não teve condições de acompanhar uma partida de futebol no estádio, se encontra dentro de um carro com o rádio ligado, esta em casa, no bar ou restaurante acompanhando pela TV e o seu time de coração faz um gol.  Você acaba percebendo aquele momento e idealizando como ocorreu aquela jogada que resultou no gol. Mas qual é a narração mais marcante para você?  Você já ouviu algo do tipo goooool ééééééé do Brasil (Galvão Bueno), olho no lance ééééé do Brasil ,foi dele do craque da camisa número 10 (Silvio Luís).  Lá vai o Brasil chutou meteu (Gomes Farias),  iiiiiii que gol (Osmar Santos) entre outros grandes narradores. O narrador acaba utilizando a sua percepção, sua técnica, para dar ênfase ao que é mais importante numa partida de futebol.

          Confira algumas emocionantes narrações.





A vida de um produtor esportivo

Por Pedro Cidade


O profissional de jornalismo que trabalha como produtor em qualquer que seja o segmento deve sempre buscar informações, conversar com outras pessoas, e acompanhar matérias, pois é assim que começa adquirir conhecimento sobre o que é relevante o suficiente para gerar uma pauta de qualidade. Manter e criar contatos são elementos essenciais para criar fontes no jornalismo e não é diferente para um produtor esportivo, manter contato com jogadores, ex-jogadores, assessoria de clubes, treinadores, juízes de futebol, atletas de outras modalidades esportivas e federações.

Ter uma noção sobre os principais esportes que são praticados no país e de preferência ler as regras, saber quem se destaca em cada modalidade esportiva, quais são os principais times de futebol da cidade, conhecer a história dos estádios e equipes de futebol, cada detalhe faz parte da vida de um produtor esportivo. Ter uma agenda repleta de contatos também é fundamental principalmente quando existem especulações sobre a contratação de um jogador, ou sobre a vinda de um atleta importante para a cidade, entre outras situações imprevistas.

Em relação as pautas sempre ligar para o repórter para que ele possa ter ideia sobre o que vai fazer,pois assim ele pode se preparar melhor. Prestar atenção nos horários dos treinos dos times de futebol, de preferência checar com assessoria dos clubes e já saber se vai ter coletiva, quem vai falar? Que horas vai ser a coletiva? Conversar com o cinegrafista sobre as imagens que você quer que ele capture no treino,de preferência entregar as orientações impressas num papel. Ter sempre nas fitas de arquivo as datas, local e assunto, quando pesquisar já vai saber onde encontrar tudo,um banco de dados com todas essas informações também resolve.

Atualizar o repórter com novas informações que você possa tomar conhecimento na redação. Ser objetivo na pauta, sugerir, mas respeitar o trabalho de quem vai esta no local, são  alguns detalhes que fazem parte da vida de um repórter esportivo.


   Veja agora a charge Produzida pelo meu amigo: Radialista, Jornalista, Chargista e Advogado Henrique DColaboração para o blog..


domingo, 20 de janeiro de 2013

Grandes campanhas de clubes cearenses na Copa do Brasil

                                                                               Por Pedro Cidade
                     
                                                         
    
                       
                       

A Copa do Brasil é a competição mais democrática do  futebol brasileiro e que reúne equipes de todos os estados brasileiros, que tem a oportunidade de representar o futebol do seu estado.

Atualmente a competição esta na sua 25ª edição e conta com a participação de 86 clubes. O vencedor tem como prêmio a participação na libertadores do ano seguinte. O critério de escolha para participação no torneio é feito da seguinte forma são convidados o campeão e o vice de cada estado, outros clubes são escolhidas através do Ranking da CBF e agora equipes que disputam a Libertadores da América também tem sua participação garantida no torneio.  

Apresentada a competição agora vamos recordar as melhores participações de equipes cearenses no torneio. 

CEARÁ         
Começando pelo ano de 1994 quando o Ceará Sporting Club formou uma equipe competitiva e eficiente principalmente jogando no estádio do Castelão, o alvinegro conseguia envolver e vencer equipes como Palmeiras e Internacional de Porto Alegre. Na primeira fase da competição o alvinegro cearense enfrentou no Estádio Castelão em Fortaleza a  equipe do Campinense da Paraíba e venceu pelo placar de 2 a 0 com gols de Ney e Ronaldo.  O Vovô voltou a enfrentar a equipe paraibana no estádio Amigão, mas dessa vez foi derrotado pelo placar de 2 a 1 com gols de Edílson e Douglas pelo Campinense e Catatau descontou pelo Ceará.   

De acordo com o regulamento da competição o gol fora de casa classificaria o alvinegro cearense para a segunda fase da competição. 



Pelas oitavas de final da competição o Ceará teria pela frente a equipe do Palmeiras que era comandada pelo experiente treinador Wanderley  Luxemburgo e contava com jogadores como Evair, Edílson e Roberto Carlos. Ceará e Palmeiras empataram pelo placar de 0 a 0, no Castelão.  

O alvinegro cearense viajou para São Paulo e jogando no estádio Palestra Itália empatou pelo placar de 1 a 1. Os gols foram marcados por Evair, para o Palmeiras, e Jaime, para o Ceará. O regulamento da competição  classificou o Vovô para as quartas de final, pelo critério do gol fora de casa. 
video
Já pelas quartas de final da competição e o  alvinegro cearense teria outro forte adversário pela frente a equipe do Internacional de Porto Alegre. O Ceará venceu o Internacional por 1 a 0, no Castelão. O gol da vitória do alvinegro foi de Gerônimo.  Em Porto Alegre a vitória foi do colorado. Os gols foram marcados por Mazinho Loyola e Paulinho McLaren, para o Internacional, e por Gerônimo, para o Ceará. Mastrillo e Vitor Hugo (Ceará) foram expulsos e deixaram o time em inferioridade numérica. 
video

 O  Ceará se classificou para a fase semifinal da competição, passou pela equipe do Linhares EC, vencendo a partida no Estádio Engenheiro Araripe pelo placar de 1 a 0 com gol do atacante Sergio Alves.  


O Ceará chega à final da Copa do Brasil, mas empata de 0 a 0 no estádio do Castelão e perde por 1 a 0 no Estádio Olímpico com gol de Nildo pelo Grêmio.  O vice-campeonato alvinegro foi a melhor campanha de uma equipe cearense na competição.





FORTALEZA    
O Fortaleza Esporte Clube também já fez bonito na competição conseguindo a sexta colocação no ano de 2001, com uma equipe bem treinada por Ferdinando Teixeira e com a experiência do goleiro Maisena.  O tricolor de aço derrotou o Sampaio Corrêa com placar de 2 a 0, no João Castelo - Castelão, valendo pela 1ª Fase da Copa do Brasil 2001. Os gols foram de Mazinho Loyola e Cantarelli. 

Pela segunda fase da competição o Leão enfrentaria a equipe do internacional de Porto Alegre. 

O tricolor venceu o Internacional pelo placar de 1 a 0, no Estádio Presidente Vargas, destaque para Júnior Amorim com o único gol da partida. No jogo de Porto Alegre ficou no empate em 0 a 0. O Fortaleza garantiu classificação para a terceira fase da competição. 





Na fase seguinte, jogando no Estádio da Fonte Nova o tricolor de aço conseguiu segurar o empate de 0 a 0 contra o Bahia. Na partida de volta o "Leão do Pici" aplicou uma goleada sobre o Bahia por 3 a 0, no Estádio Presidente Vargas. Os gols foram marcados por Claudinho, Clodoaldo e Adriano Silva. 


O próximo adversário seria a Ponte Preta e o Tricolor  de aço venceu a macaca por 1 a 0, no Presidente Vargas, valendo pela fase quartas de final da Copa do Brasil 2001. Clodoaldo fez o único gol da partida. Já na partida de volta a Ponte Preta atropelou o Fortaleza com placar de 5 a 2, no Moisés Lucarelli, construíram o placar: Washington (4) e Régis Pitbull, pela Ponte Preta, e Claudinho e Júnior Amorim, do Fortaleza. 
                                   
  
HORIZONTE
O Horizonte Futebol Clube também já fez uma boa campanha na competição em 2011 se destacou por ter eliminado equipes tradicionalmente mais fortes como o ASA e o tradicional Guarani de Campinas, e por ter empatado com o Flamengo, no Rio de Janeiro. 




Em 2012, participou pela segunda vez da Copa do Brasil, eliminando o América de Natal na primeira fase. Na segunda fase foi eliminado pelo o Palmeiras por 3x1.






















FERROVIÁRIO

O Ferroviário Atlético Clube na Copa do Brasil de 2004 fez sua melhor campanha na primeira fase eliminou o América de Natal com uma goleada histórica por 4 a 0 no primeiro jogo. A despedida coral aconteceu na fase seguinte, diante do Corinthians Paulista quando foi derrotado pelo placar de 2 a 0.



sábado, 19 de janeiro de 2013

Copa do Nordeste de Futebol

                                                                                Por Pedro Cidade


Você sabe quando foi realizada a primeira Copa do Nordeste de Futebol? Quem foi a primeira equipe a conquistar um título na competição? Quem é o maior artilheiro de todas as edições da competição? Qual a equipe conquistou mais títulos? Quem é o atual campeão? Qual é a federação que possui mais títulos? Quem já venceu o torneio?

A Copa do Nordeste surgiu em 1976 através da segunda edição de uma competição que recebia o nome de Torneio José Américo de Almeida Filho, que contou com a participação de campeões e vices de seis estados nordestinos: Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, mais a equipe do Volta Redonda do Rio de Janeiro como convidada.


A primeira equipe que conquistou a competição foi o Vitória da Bahia no ano de 1976. O maior artilheiro de todas as edições da competição é o atacante Sergio Alves que no ano de 2002, marcou 13 gols pela equipe do Bahia.





 A equipe que mais conquistou títulos foi o Vitória que venceu por cinco vezes a Copa do Nordeste (1976, 1997, 1999, 2003 e 2010). 



O atual campeão da competição é o Vitória que venceu o torneio no ano em 2010, já que o certame não foi realizado em 2011-2012. 



A federação que possui mais títulos é a Bahia com 7 no total, sendo 5  títulos do Vitória e 2  do Bahia. A competição já foi conquistada pelas equipes do Vitória (1976, 1997, 1999, 2003 e 2010), Bahia (2001 e 2002), Sport Recife (1994 e 2000) e América de Natal (1998).










quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

As Maiores goleadas em copas do mundo


Por Pedro Cidade


 A Copa do Mundo de Futebol é feita de curiosidades, mas você sabe qual foi a maior goleada de todas as  copas? Qual equipe aplicou essa goleada? Qual equipe que sofreu?  Qual última que você lembra? Se já é muito bom acompanhar uma partida de Copa do Mundo, imagine você presenciar uma partida recheada de gols.

 Vou começar falando sobre a maior goleada da história das copas do mundo que foi da equipe da Hungria na Copa do Mundo da Espanha em 1982, quando não tomou conhecimento da equipe do El Salvador e aplicou uma goleada de 10 a 1 no Nuevo Estádio, na Primeira Fase da competição. Os gols da partida foram de Fazekas (2), Nylasi (2), Jozsef Toth, Kiss (3), Poloskei e Szentes, para a Hungria, e de Ramirez, para o El Salvador, foi um verdadeiro massacre. 


 Outra goleada inesquecível foi da seleção da Iugoslávia na copa do mundo de 1974 quando venceu por 9 a 0 seleção do Zaire, no Park Stadion pela Primeira Fase da Copa do Mundo de 1974, na Alemanha. Os gols foram marcados por Bajevic (3), Bogicevic, Dzajic, Katalinski, Oblak, Petkovic e Surjak. Pelo Zaire, Ndaye foi expulso. 

 A terceira maior goleada também foi da Hungria na copa  do mundo da Suíça em 1954, A Hungria goleou o Coreia do Sul pelo placar de 9 a 0, no Zurique, na  Copa do Mundo 1954. Os gols foram marcados por Czibor, Kocsis (3), Lantos, Palotas (2) e Puskas (2).

 Já pela Copa do Mundo de 2002, a Alemanha sobrou em campo e aplicou uma goleada de 8 a 0 sobre a Arábia Saudita no Sapporo, pela Fase da Copa do Mundo 2002. O placar foi construído por Bierhoff, Ballack, Jancker, Klose (3), Linke e Schneider.

 A Copa do Mundo de 1938 ocorreu na França, onde a  Suécia venceu com facilidade a seleção de  Cuba por 8 a 0, no Antibes.  Os gols foram feitos por Keller (3), Andersson, Nyberg e Wetterstrom (3).

 Na Copa da África do Sul em 2010, A seleção de Portugal conquistou uma boa vitória em cima do Coreia do Norte por 7 a 0, no Green Point, na Primeira fase da competição. Os gols foram feitos por Liedson, Cristiano Ronaldo, Simão Sabrosa, Tiago Mendes (2), Raul Meireles e Hugo Almeida.

Pela Copa da Alemanha de 1974, A Polônia bateu facilmente o Haiti com placar de 7 a 0, no Berlim, pela Primeira Fase da Copa do Mundo 1974. Os gols foram feitos por Deyna, Gorgon, Lato (2) e Szarmach (3).

A  seleção da Turquia pela Copa do Mundo de 1954 goleou a Coreia do Sul pelo placar de 7 a 0, no Stade des Charmilles. Os gols foram de Burhan (3), Erol, Lefter e Suat (2).
  
 A Seleção brasileira não poderia ficar de fora e na copa do mundo de 1950 no Brasil, conquistou uma boa vitória em cima do Suécia com placar de 7 a 1, no Maracanã, na Fase da Copa do Mundo 1950. Os gols da partida foram de Ademir Menezes (4), Chico (2) e Maneca, para o Brasil, e de Andersson, para o Suécia.



1º. Hungria 10 x 1 El Salvador (1982)
2º. Iugoslávia 9 x 0 Zaire (1974)
3º. Hungria 9 x 0 Coreia do Sul (1954)
4º. Alemanha 8 x 0 Arábia Saudita (2002)
5º. Suécia 8 x 0 Cuba (1938)
6º. Portugal 7 x 0 Coreia do Norte (2010)
7º. Polônia 7 x 0 Haiti (1974)
8º. Turquia 7 x 0 Coreia do Sul (1954)
9º. Brasil 7 x 1 Suécia em (1950)
10º. Hungria 8 x 2 Alemanha (1954)
O ranking é elaborado pela diferença de gols entre as seleções.
Fonte: Fifa e 
futpédia.